Quadrilha de Cunha também está junto com Temer

Um governo de corruptos para substituir a corrupção do PT, faz política brasileira viver o pior momento de sua breve história democrática depois de 20 anos de ditadura militar.

michel temer, eduardo cunha
Michel Temer e Eduardo Cunha juntos. Ambos são do PMDB. Via de regra, de alas diferentes.

Notícias diárias sobre o novo governo, desagradam a gregos e troianos, artistas e ativistas, petralhas e coxinhas, brasileiros e brasileiras de todos os cantos do planeta.

Os membros do antigo governo petista de Dilma Rousseff, e do novo de Michel Temer, têm muito em comum. Muitos deles, já estavam com Dilma, e dentre os novos, temos sempre os membros da equipe de governo, sendo apresentados nos jornais do Brasil e do mundo, pela ficha policial, pela ‘capivara’ como se fala na linguagem vulgar.

andré moura e eduardo cunha
À direita na foto, o deputado André Moura (PSC/SE), líder do governo Temer no Congresso e braço-direito de Eduardo Cunha, à esquerda na foto.

Muitos deles não possuem qualquer qualificação para a pasta que irão comandar, e mais uma vez, somos obrigados a assistir a decisões de tribunais ao invés de ver gente decente e capaz nos Ministérios e principais posições do governo brasileiro.

Dá vontade de chorar, de gritar, ir pra rua … tudo .. dá raiva, coisa que não deveríamos ter jamais, daqueles que escolhemos para serem nossos representantes.

Fica claro que não representam ninguém além de si mesmos. Compram votos. Continuam comprando a gente ingênua brasileira que não conhece e nem quer conhecer a Política.

Que bom seria se fosse verdade, aquilo que aprendemos sobre Política na 5ª série, quando éramos jovenzinhos ainda. Crescer e ver que apenas os nossos coleguinhas desonestos decidiram ir para política, é triste e gera culpa. Afinal, por que deixamos isso acontecer?

assinatura digital

Paul Sampaio, perfil, 1  Paul Sampaio – Autor


O deputado André Moura (PSC-SE), líder do governo Temer na Câmara
O deputado André Moura (PSC-SE), líder do governo Temer na Câmara

Líder do governo Temer é alvo da Lava Jato, suspeito de tentativa de assassinato e réu em três ações no STF

RANIER BRAGON,
MÁRCIO FALCÃO e 
RUBENS VALENTE 
DE BRASÍLIA

FOLHA de SÃO PAULO – Escolhido por Michel Temer para liderar a sua base parlamentar na Câmara, o deputado federal André Moura (PSC-SE) é réu em três ações penais no Supremo Tribunal Federal sob a acusação de desviar dinheiro público e é investigado em pelo menos três outros inquéritos, entre eles por suposta participação em tentativa de homicídio e no esquema de corrupção da Petrobras.

O deputado também já foi condenado em Sergipe por improbidade administrativa.

O nome de Moura foi bancado pelo chamado “centrão” da Câmara e pelo deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de quem Moura é uma espécie de braço-direito.

Apesar de ser líder do nanico PSC (que tem apenas 9 deputados), Moura recebeu de Cunha importantes tarefas no Legislativo, como apoio para se tornar presidente da comissão que discutiu a redução da maioridade penal. Assíduo frequentador do gabinete e da casa de Cunha, ele faz parte da tropa de choque que tenta salvar o mandato do peemedebista no Conselho de Ética da Câmara.

A escolha de Moura por Temer, que já se apresentou a deputados na manhã desta quarta-feira (18) como líder do governo na Câmara, foi antecipada pela Folha.

Moura, que nega todas as acusações, foi transformado em réu no Supremo em 2015, respondendo por crime de responsabilidade, quadrilha ou bando e improbidade administrativa.

As denúncias recebidas por unanimidade pela segunda turma do Supremo envolvem crimes de apropriação, desvio ou utilização de bens públicos do Município de Pirambu (SE), na gestão do então prefeito Juarez Batista dos Santos, no período de janeiro de 2005 a janeiro de 2007.

Moura foi prefeito da cidade por dois mandatos, tendo antecedido Juarez.

Segundo a acusação, após deixar a Prefeitura, Moura teria atuado como “prefeito de fato” e continuou usando bens e serviços custeados pela administração municipal, como gêneros alimentícios, telefones celulares, veículos da frota municipal e servidores que atuavam como motoristas.

A denúncia aponta que a prefeitura pagou compras de gêneros alimentícios em estabelecimentos comerciais que foram entregues na residência e no escritório político do deputado.

Entre janeiro de 2005 e julho de 2007, o então prefeito de Pirambu deixou à disposição de Moura celulares, que também foram utilizados por sua mãe e irmã e que tiveram as contas pagas com recursos da cidade, segundo a acusação. Além disso, uma frota de veículos, com motoristas, teria sido designada para servir a fins particulares e políticos do hoje deputado.

A defesa de André Moura negou todas as condutas denunciadas e afirmou que, embora tenha apoiado o prefeito que o sucedeu, razões políticas fizeram com que Moura e Juarez dos Santos se tornassem desafetos políticos, o que teria levado o então prefeito a prejudicá-lo, apresentando falsas denúncias sem a apresentação de provas.

Na época em que transformou Moura em réu, porém, o ministro do STF Gilmar Mendes afirmou que ” a descrição é suficientemente adequada para projetar os tipos penais” apontados na denúncia. “Portanto estou rejeitando a ideia de que as denúncias são ineptas.”

As acusações de uso ilegal de recursos da prefeitura já levaram Moura a ser condenado por improbidade administrativa em Sergipe. Ele recorreu ao Superior Tribunal de Justiça, que suspendeu os efeitos da decisão até o julgamento do recurso.

A indicação de Moura foi criticada por deputados da base de apoio de Temer, entre eles o DEM, que queria emplacar Rodrigo Maia (DEM-RJ) no cargo. “Não me sinto representado e não responderei a essa liderança. O governo Temer comete um grave erro com essa indicação. A sociedade está atenta”, afirmou o deputado Betinho Gomes (PSDB-PE).

O líder da bancada do DEM, Pauderney Avelino (AM), afirmou que a indicação de Moura é uma pressão de Cunha feita por meio do “centrão”, grupo de partidos sobre os quais o presidente afastado da Câmara também tem grande influência.

HOMICÍDIO

As investigações sobre o caso começaram a partir da delação premiada de Juarez dos Santos, que procurou a Polícia Civil. O então prefeito contou que após ser eleito foi pressionado por Moura, que queria manter o controle da cidade.

Com isso, passou a indicar a maior parte dos secretários municipais e manteve carros e celulares da Prefeitura à sua disposição, além de fazer compras em mercados pagas pelo erário, indicar vários funcionários fantasmas, e receber repasses mensais da Prefeitura entre R$ 30 mil e R$ 50 mil, conforme a acusação.

Nas eleições de 2006, Moura foi candidato a deputado estadual e, durante a campanha, segundo relato de Juarez dos Santos, as exigências ilícitas se agravaram. Moura teria encomendado repasse de R$ 1 milhão entre abril e setembro.

O prefeito afirmou que passou a receber ameaças que culminaram com troca de tiros que feriram o vigilante de sua casa, disparados por quatro homens encapuzados. Um inquérito no Supremo que tem Moura como investigado trata da tentativa de homicídio do vigia.

LAVA JATO

Moura também passou a ser investigado no STF em um dos inquéritos da Lava Jato que apuram a suposta ligação de Eduardo Cunha com o esquema de corrupção da Petrobras. Outros oito aliados do presidente afastado da Câmara também figuram como investigados neste caso, que apura os crimes de corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, suspeita que os parlamentares apresentaram requerimentos e atuaram na Câmara para pressionar o grupo Schahin, por causa de uma disputa com o corretor de valores Lúcio Bolonha Funaro, que é próximo a Cunha. Funaro também é investigado.

O outro inquérito que traz Moura como investigado aponta a suspeita de que ele fez contratações ilegais de empresas de comunicação quando era deputado estadual.

OUTRO LADO

André Moura e sua assessoria rebateram todas as acusações e suspeitas. O deputado disse ainda que Eduardo Cunha teve papel significativo no impeachment de Dilma, mas que não terá influência na liderança do governo de Michel Temer.

Sobre as ações penais e a suspeita de participação na tentativa de homicídio, a assessoria do defesa do deputado diz que “as afirmações do Ministério Público baseiam-se somente nas acusações de um ex-prefeito de Pirambu, desafeto político de André Moura, que as fez com a clara intenção de tentar prejudicá-lo, apresentando denúncias falsas, jamais confirmadas através de qualquer prova material”.

Em entrevista, Moura afirmou genericamente não haver provas de envolvimento na suposta tentativa de homicídio e que o caso será arquivado.

Em relação ao inquérito da Lava Jato, Moura diz que respeita o Ministério Público e Janot, mas que “não vê motivo plausível para o pedido de investigação” já que as acusações, diz, não se referem a corrupção, mas “por ter sido André Moura ‘agressivo’ e ter ‘humilhado’, nas palavras do procurador-geral, os dirigentes do Grupo Schahin na convocação destes, feita no ano passado, pela CPI da Petrobras, da qual era sub-relator”.

O deputado diz que na condição de sub-relator era o seu dever “questionar interrogados e buscar esclarecer supostos malfeitos praticados contra o serviço público, não importando o tom ou a contundência da sua oratória”. Ele diz que se manterá disposto a agir de modo idêntico em todas as ocasiões em que o interesse público estiver em jogo. “Não estou envolvido, não recebi dinheiro de nenhum das empresas que estão envolvidas, não tem nenhum tipo de diálogo meu com quem quer que seja envolvido na Lava Jato, não tem delação citando meu nome.”


andré moura, eduardo cunha

André Moura afirma que Cunha não vai ter ‘influência nenhuma’ em sua liderança na Câmara

Julia Lindner e Igor Gadelha – O Estado de S.Paulo

18 Maio 2016 | 14h 49 – Atualizado: 18 Maio 2016 | 14h 55

Aliado do presidente afastado da Câmara, novo líder do governo destacou que Cunha foi ‘importante’ no impeachment; Moura também disse que não teme investigação da Lava Jato

BRASÍLIA – O novo líder do governo na Câmara dos Deputados, André Moura (PSC-SE), afirmou que o presidente afastado da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), não terá “influência nenhuma” em sua atuação no comando da Câmara. Um dos principais aliados do peemedebista, Moura destacou, contudo, que Cunha teve um papel “importante” na condução do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff e que ele foi “corajoso” por ter deflagrado o processo de impedimento. O deputado contou que esteve com Cunha na última semana, mas voltou a dizer que o presidente afastado não articulou pela sua indicação e que ele é apenas “líder do governo Michel Temer”.

Apesar de interlocutores de Cunha afirmarem que ele atuou diretamente pela nomeação, Moura considerou que a decisão de Temer se baseou no apoio que possui de outros parlamentares. Nesta quarta, 18, diversos parlamentares do chamado “Centrão” (PMDB, PR, PHS, PSL, PP, SD, PSD, PTB, PTN, PEN, PRB, PSC e Pros) levaram o nome de Moura ao presidente em exercício.

“Quanto à influência de Cunha na minha liderança, quero dizer que estou aqui nessa Casa há seis anos e durante esse período construí um bom relacionamento com várias pessoas. O trabalho que fizemos durante o impeachment foi fundamental para obter os votos necessários para a aprovação do processo na Câmara, isso permitiu que eu tivesse o apoio de 13 partidos”, defendeu.

Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e André Moura (PSC-SE) são aliados

Sobre possuir resistência de alguns membros da base aliada, como DEM e PPS, devido à sua proximidade com Cunha, ele disse desconhecer os comentários. “Não tenho conhecimento disso, conversei hoje com líderes do PSDB, PP, PSD e PP, mas ainda farei uma visita a todas as lideranças que compõem a base do governo. Não vi retaliação, mas é natural que isso aconteça com tantas legendas, pois algumas defendiam outros nomes, mas o importante é que somos uma só base.”

Moura disse que recebeu o convite de Michel Temer para assumir o cargo na noite de terça, 17, no Palácio do Planalto. Também estavam presentes o líder do PSD, Rogério Rosso (DF), o líder do PTB, Jovair Arantes (GO), o líder do PP, Aguinaldo Ribeiro (PB), e o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Desde cedo, Moura já está atuando na Casa para auxiliar a gestão provisória a destravar a pauta. Segundo o parlamentar, há um acordo para votar nesta quarta duas das quatro medidas provisórias pendentes: a MP 706/15, que define ações de combate ao mosquito transmissor do zika vírus e da dengue; e a MP 712/15, que aumenta o prazo para distribuidoras de energia assinarem aditivo de contrato com o Ministério de Minas e Energia para prorrogar a concessão do serviço.

O objetivo do governo agora é ter a pauta “livre” para novas propostas a partir da próxima segunda, 23. “Minha missão aqui é trazer matérias que possam permitir que o País volte a encontrar o caminho do crescimento”, afirmou. Para ele, independente da posição dos partidos, é preciso apreciar os projetos logo.

Maranhão. Moura também comentou o impasse da permanência de Waldir Maranhão (PP-MA) na presidência da Câmara, que tem sido motivo de instabilidade na base aliada e pode dificultar as votações. “Houve uma tentativa de solucionar, de buscar uma solução na semana passada, não do governo, mas de vários partidos, e não foi possível”, afirmou. “Maranhão não deixou dúvidas de que não aceita renunciar ou se afastar, então temos que trabalhar com o que é possível, e isso é ajudá-lo a conduzir o plenário, assim como o ajudamos hoje a conduzir a reunião do colégio de líderes. O parlamento precisa dar uma resposta positiva à sociedade”, complementou.

Questionado sobre a votação da CPMF, que gerou mal-estar entre aliados, Moura respondeu apenas que ainda não discutiu o assunto com Temer.

Lava Jato. Moura afirmou que não tem o que temer pelo fato de ser formalmente investigado pela Operação Lava Jato. A Procuradoria-Geral da República (PGR) suspeita que Moura e outros aliados de Cunha apresentaram requerimentos e atuaram na Casa para chantagear empresas, entre elas, as do grupo Schahin.

Moura disse que só teve o nome incluído no inquérito por ter sido “agressivo” e “carrasco” durante a oitiva de executivos do grupo Schahin na CPI da Petrobrás, no ano passado. “Eu não poderia tratar réus confessos chamando de anjo ou santo ou recebendo flores”, afirmou o deputado em sua primeira entrevista como líder do governo. Ele declarou que não recebeu doação de empresa investigada pela Lava Jato, nem teve o nome citado em qualquer delação premiada ou gravação.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s