Tortura Nunca Mais

Ditadura - Coronel Ustra - tortura - Bete Mendes - Sônia

Coronel Ustra, o torturador mais popularizado pela mídia que fala as verdades do Brasil, é o exemplo mais adequado para entender o que acontecia a exatos 50 anos atrás – a Idade das Trevas da República Nova.

Uma dúzia e Meia de Comandantes do Exército, com apoio internacional irrestrito dos Estados Unidos, marcham em direção das Sedes dos Poderes, dominam os Militares fiéis à Democracia de Direito, e através das Armas, declaram que o país era DELES.

Depois ainda fecham o congresso, expulsam, torturam e matam os brasileiros que não são submissos, inclusive mulheres – e não eram todas guerrilheiras como a atual presidente, Dilma Rousseff, que realmente participou da resistência à Ditadura pelas armas também.

Homens sem escrúpulos, coração ou alma, torturavam mulheres, introduziam ‘coisas’ nelas … e depois as matavam … e depois as exibiam como TROFÉUS, em via pública.

Hoje, 50 anos depois, esses monstros ainda andam pelas ruas brasileiras, e nunca foram punidos pelo que fizeram, como se nunca tivessem feito nada daquilo.

Nunca se desculparam. Até hoje, ainda não conseguem enxergar o que fizeram, como algo absurdo, desnecessário e desumano.

Ainda vêm apenas suas próprias justificativas.

Que Deus os perdoe. Porque, é difícil para qualquer um, pedir às famílias das vítimas que o façam, com toda essa injustiça reinando em nosso solo brasileiro, até hoje.

Paul Sampaio Chediak Alves

A tortura foi a patologia de um regime hediondo
Juremir Machado da Silva

De um documento oficial: “O DOI/CODI de São Paulo deixou a herança de mais de 6.000 vítimas de prisão, todas talvez torturadas, e de mais de 60 mortes. Para esta ação, são considerados 64 casos descritos no relatório oficial da Presidência da República Direito à Verdade e à Memória. Esse relatório foi elaborado a partir da apreciação dos pedidos de reparação de danos formulados por familiares na forma da Lei n° 9.140/95. Consta ali o reconhecimento da prática de HOMICÍDIOS, DESAPARECIMENTOS e TORTURAS pelos agentes do DOI/CODI·SP, nos períodos de comando dos réus USTRA e MACIEL. Para dar a dimensão da gravidade dos fatos, apresenta-se, a seguir, a transcrição de alguns dos casos”.

Basta um caso para dizer tudo.

“SÔNIA MARIA DE MORAES ANGEL JONES

– Há duas versões para a morte de Sônia. A primeira, do primo do pai dela, coronel Canrobert Lopes da Costa, ex-comandante do DOI-CODI de Brasília e amigo pessoal do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, comandante do DOI-CODI de São Paulo: ‘Depois de presa, do DOICODI/SP foi mandada para o DOI-CODI/RJ, onde foi torturada, estuprada com um cassetete e mandada de volta a São Paulo, já exangue, onde recebeu dois tiros.

A segunda, do ex-sargento Marival Dias Chaves do canto, do DOI-CODI/SP, em entrevista concedida à revista Veja, em 18/11/1992. Segundo ele: ‘Antônio Carlos e Sônia foram presos no canal 1 em Santos, onde não houve qualquer tiroteio, e nem ao menos um tiro, apenas a violência dos agentes de segurança que conseguiram imobilizar o casal aos socos, pontapés e coronhadas. Eles foram torturados e assassinados com tiros no tórax, cabeça e ouvido (…) Foram levados para uma casa de tortura, na zona sul de São Paulo, onde ficaram de cinco a 10 dias até a morte, em 30 de novembro. Depois disso, seus corpos foram colocados à porta do DOI-CODI, para servir de exemplos, antes da montagem do teatrinho. Foram sepultados como indigentes no Cemitério de Perus, Sonia com nome falso. Ao final do Auto de Exibição e Apreensão do DOI-CODI, datado de 30/11/1973, porém, encontra-se a ressalva: ‘Em Tempo: Material encontrado em poder de Esmeralda Siqueira Aguiar, cujo nome verdadeiro é Sônia Maria Lopes de Moraes’”.

Ustra é um animal que vive solto.

Protegido pela Lei da Anistia.

Um “herói” do glorioso regime militar implantado como a moralizadora “redentora”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s